segunda-feira, 18 de julho de 2011

Dos fracassos e da diversão.

Nunca andei tanto de bike, dentro do metro na minha vida. Esse foi o Libvee.

E então, eu nunca mais postei nada aqui.

Tenho que fazer um post a parte para falar o que aconteceu depois do dia 31/07/10. Quase um ano de casamento. Muito feliz!

Pensei em voltar a este blog animada pelo passeio ciclístico Libvee, que aconteceu ontem.
A ideia do negócio era fantástica. Era.

- R$ 226,00
- 1 Bike
- 1 Capacete
- Uma camiseta
- Muita gente reunida
- Passeio noturno
- Percurso: Centro velho de São Paulo.

Tudo começou bem!

Eu estava Feliz. Estava.

Pronta para um passeio feliz!

Cheguei no Memorial, onde seria a largada. Tudo calmo, bem organizado.
Retirei minha bike sem muitos problemas, rapidamente já ajustaram a altura, o freio e tal...

Elogiei no twitter a organização, dei até nota 8.

O passeio atrasou um pouco, mas até ai, tudo bem.

Logo na saída do Memorial, a Bike da Érika, amiga que estava comigo, soltou a corrente. Tentamos arrumar, seguimos mais alguns metros e nos perdemos.
Mais alguns metros, na metade do Minhocão, o pneu da minha Bike furou.

Algumas pessoas da organização da prova passava, sem poder ajudar, sem saber o que fazer. Sem ferramentas, sem bike reserva, sem informação. Sem NADA.

Eu parei (lógico) e após um pessoal da organização passar e falar: ei! não para! ( e eu ainda com muita paciência, explicando que o pneu tinha furado) UMA, apenas UMA pessoa resolveu parar e me dar informação correta:

- Olha, fica ai que a caminhonete vai te buscar, ai vc vai na caçamba com a sua bicicleta. ok?
- Ok.

Quando me deparei com a "Caminhonete" suuuper moderna


Quando subi na Caminhonete, minha amiga estava lá também. Junto com outras 5 pessoas!
Alguém me instruiu: cuidado com o Buraco! Sim, tinha um BURACO na caçamba da caminhonete!

A ideia era: vamos até a parada que acontecerá no Liceu e lá arrumamos as Bikes.

Ahhh a Esperança...

Só conseguimos chegar até a Sé, pois a Caminhonete parou!!! Sem Disel, tivemos que empurrar ("tivemos" não. A galera empurrou e eu filmei! hehe)

Depois de muita confusão, resolvemos pegar as bikes quebradas e voltar para o Memorial, já que na altura do campeonato, não iriamos mais alcançar o pessoal que estava no Liceu.

Ainda com muito bom humor, entramos no metrô da Sé, fomos até o Memorial novamente.

Chegamos lá, fiquei DECEPCIONADA, não havia ninguém com "competência" suficiente para resolver. Ninguém sabia de nada.

Não podíamos pegar outras bikes, porque as que estavam lá, já estavam com defeito.

O pessoal da "organização" com a bunda grudada na cadeira, não nos ajudou em NADA.

A galera da Houston, nem saiu de perto da Van pra dar um "oi"

Contamos com a boa vontade de uns meninos que estavam por lá.
Nos contaram que eles trabalham no bicicletário do metrô e tinham sido contratados como Freela só para aquele evento.

Eles tiveram pró atividade, pq até então, a bunda do restante do pessoal, continuava grudada.

As 21:30 as pessoas que conseguiram continuar estavam chegando. Um cara que parecia ser da organização da prova, chegou gritando com aqueles que estavam colados nas cadeiras. Instruções de como pegar os rádios (que quando funcionaram, tocaram música de elevador), onde deixar as caixas de frutas.

Fui instruída para sair pelo portão 5, que estava fechado. Esperei um homem chegar para conseguir abrir. Detalhe: era um participante. Não havia ninguém na saída.

Já na rua, encontrei com o pessoal da caminhonete, que conseguiu combustível para voltar.

Enfim, peguei minha bike, voltei pro metro e fui pra casa. Frustrada.

Conclusão:

- Menos R$ 226,00 na minha conta
- Perdi a tarde do meu domingo
- Não recebi ainda nenhum "foi mal" da (des) organização da prova.
- Levei uma amiga e passei vergonha
- Nunca andei tanto de bicicleta dentro do metro!

O lado positivo é que a galera que estava comigo na caminhonete eram pessoas divertidíssimas, do tipo que consegue rir com a situação ridícula que estávamos passando.

Ficamos de marcar uma pizza e um passeio de bike entre a gente, já que o nosso foi frustrado.

Alias, o que acham de marcarmos uma corrida, ou um passeio de bike com todos aqueles que não conseguiram fazer um passeio bacana? Fica a sugestão. Quem topa?


9 comentários:

Su disse...

Sou total solidária ao seu sofrimento. Aliás, foi quase idêntico ao meu! Boa sorte pra nós nos próximos.

Wadilson disse...

Olá, Mariana, td bem?

Também estive no Libvee e escrevo sobre a experiencia em meu blog:
http://www.wde.com.br/blog/2011/07/o-primeiro-libvee-em-sao-paulo-entre-o-ruim-e-o-pessimo/

Cito e dou link para o seu post

Espero que no futuro as coisas sejam bem diferentes.

Abs!

Carol Antunes disse...

Bom Mariana,
Eu consegui concluir o passeio, mas nem de perto estou satisfeita.

To dentro de marcar passeios pela cidade. Andar em grupo é mais seguro e divertido. Mas vou com minha dahon mesmo. Ela nunca me deixou na mão :)

Dri Frasson disse...

Mari,
Que bom que tirou as teias de aranha do blog!
Pena que foi para contar uma experiência não tão boa, né?
Espero que já esteja recuperada desta furada.
Aguardo as próximas aventuras de Mariana.
Bjs.
Dri

LP disse...

OLá
Mariana

Retirei minha bicicleta e na primeira sentada o selim estava quebrado, tinha ferramenta e tentei arrumar...mas o equipamento era de má qualidade. Doei a bicicleta para uma pessoa no Metrô e fui embora. na verdade fui ao evento apenas para prestigiar a iniciativa já que fui uma das primeiras pessoas a desenvolver um projeto de cicloturismo na cidade e sou responsável pelo U-Bike no Hotel Unique, que se quiser fazer uma pedalada com a gente esta mais do que convidada... Da uma olhada na pedalada que fizemos com o David Byrne em SP e Paraty http://ubikebrasil.wordpress.com e o nosso site www.u-bike.com.br , abs e vamos pedalar...

Nessa Guedes disse...

Eu sper topo!
Eu sou a moça que estava com camiseta preta com vcs lá na jornada.
Mais sorte da proxima!
beijos

JP Amaral disse...

Olá Mariana!

Como vai?

Poxa, foi uma pena mesmo o LibVee ter sido tão traumático pra tanta gente... Eu fiquei do outro lado da história, tentanto ajudar ao máximo as pessoas que estavam com problemas com a bicicleta e dando bronca nos monitores que mais pareciam "tocar uma boiada" do que incentivar as pessoas a terem uma pedalada agradável.

Eu sou organizador do projeto Bike Anjo (bikeanjo.com.br) e gostaria de ajudar vocês da melhor forma possível para continuarem na vida ciclística.

Já que estão querendo combinar um passeio, recomendo fortemente que vão para a Bicicletada, toda última Sexta do mês (de julho vai ser na outra sexta - 29/07) saindo às 20h da Pça. do Ciclista (Paulista com a Consolação). Vale muito a pena e lá você vai entender a forte solidariedade e união que rola entre os ciclistas. Ninguém fica pra trás e nem é "acelerado". Todos estão lá por uma cidade mais humana.

Se quiserem, podemos combinar um ponto de encontro pra irmos todos juntos.

Tô super à disposição de ajudá-los!

JP
Facebook: JP M Amaral
Twitter: @jpmamaral

Tom Bike disse...

Se animar ir até São José dos Campos no último domingo de janeiro... Tente o Tripbike :) [ ] @tom_bike

ana rüsche disse...

olá, mariana!

puxa, que história... estive na 'pipoca' com vários amigos (barrados-no-baile no momento-liceu-coração-de-jesus), pois inscrevi meu irmão.

a história foi feliz, mas por outros motivos que não a organização do evento.
vem pedalar com as pedalinas ou mesmo nas bicicletadas (a de são paulo, a da zona leste ou da zona oeste).

um beijo!