sábado, 30 de julho de 2016

Sua avó cozinha? Qual o prato favorito dela, ou seu prato favorito que ela faz?

Novidade gente! 
Queremos saber: Sua avó cozinha? Qual o prato favorito dela, ou seu prato favorito que ela faz? 
Escreva aqui nesse post, quem sabe o prato da sua avó não esteja no nosso cardápio do Duas Terezas Bistrô que abriremos em breve! E ainda, se o seu prato for escolhido você ganha um jantar para degustar o prato em nosso bistrô. Nos ajude a fazer uma comidinha gostosa, saudável e com gostinho de vó . Promoção em parceria com a Fuê Comunicação (www.fuecomunicacao.com.br)#comidadevo

quinta-feira, 22 de março de 2012

II Corrida da Fraternidade

Amigos,

Essa vale a pena, estamos ajudando a organizar. Primeira corrida realizada por um Padre e com um ideal muito bonito: Saúde Pública.

Inscreva-se aqui: http://www.ativo.com/Eventos/MostraEvento.aspx?idEvento=5198

Mais informações: http://corridadafraternidade.blogspot.com.br/

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Uma Linda História de Natal

Olá pessoas!

Estão todos convidadíssimos para o musical de Natal! (Eu e o Marido estamos no elenco!)

E clicando ai no Banner, tem descontão!

De R$40,00 por R$16,00



Aguardo vocês lá!! É só clicar no banner para ter o desconto! 

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

São Silvestre é Tradição.

Veja bem: Para mim a São Silvestre não é a prova mais importante do ano. Digo, não me preparo para ela. Eu não me preparei para nenhuma delas... Mas estou lá. Para correr, para assistir, para encontrar meus amigos...

A São Silvestre é diferente.

Mesmo que eu já tenha feito distancias maiores, que eu já tenha várias medalhas de provas mais difíceis, mais fáceis, de revezamento, enfim... São as medalhas (e camisetas) da São Silvestre que meu pai leva para o trabalho para mostrar aos amigos, é da São Silvestre que ele se orgulha, mesmo meu tempo seja o suficiente para aqueles Quenianos darem umas 4 voltas ou mais.

É uma prova especial... Tem um lado "romântico", "místico", sei lá...

Quando converso com um não-corredor sobre corridas, sempre rola a pergunta:

- "Você já correu a São Silvestre?"

Normalmente a pessoa não sabe que são apenas 15km e não 42km (maratona), não sabe qual é o percurso, não sabe se é ou não dificil... mas sabe da São Silvestre. Sabe que ela tem a subida da Brigadeiro e que ela começa e TERMINA na PAULISTA!

Bom, esse inicio era só para falar que querem tirar a São Silvestre da Paulista! E isso é o fim!

Essa galera aqui em baixo, corre melhor que eu, escreve melhor que eu, e vale a apena conferir tudo:

Aperte seu mouse aqui para ler sobre o Protesto no blog do Colucci, ou

aqui para o Bruno Vicari

Tem ainda como assistir a Matéria do SBT clicando aqui

Simone Manocchio

WebRun - Nelson Evêncio

Bom... vale a pena ler, se informar.

São  Silvestre e na PAULISTA!!!!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Sobre a intolerância, educação e educadores.


Vou dar uma pausa no assunto central deste blog para discutir outro assunto: Educadores.

Aviso: O texto é longo e questionador!

Tenho um irmão, João Victor. Ele tem 14 anos, que mora com meus pais no interior de São Paulo. Cidade de São João da Boa Vista, uns 300km de São Paulo.

Meu irmão, esta na 8ª série (9º ano, ou coisa que o valha... não decorei essas novas regras  rss) de uma escola pública, chamada Coronel Cristiano Osorio de Oliveira

Ele, como qualquer outro adolescente tem seus momentos chatos, questionadores, revoltado e tudo isso que todos nós já passamos!

Graças a Deus, João Victor, não é uma pessoa acomodada, ou que aceite fácil qualquer coisa. Nossos pais 
nos ensinaram a ser assim.

Contei tudo isso pelo seguinte: Na escola onde ele estuda, não há professor de história. Então, a escola colocou a professora de “Língua Portuguesa” para suprir a falta do profissional.

Ele me contou, que há muito tempo, a professora passa longos textos na lousa, os alunos copiam, e fica tudo por isso mesmo.

Esta semana, ele se cansou e contestou! Pediu a professora que fizesse uma explicação! E que ele não iria copiar mais nada se não houvesse uma explicação da matéria.

A professora rebateu, dizendo que não explicava a matéria porque a sala estava sempre uma bagunça!

Neste ponto já começo a me perguntar se isso realmente é argumento de um professor e onde está a autoridade dela sobre a classe? Mas...

Meu irmão levantou e pediu para a sala ficar em silêncio!
O erro dele, foi dizer: “vamos galera, silêncio! A professora vai explicar a matéria. Vamos colaborar porque isso acontece uma vez na vida e outra na morte”

Isso resultou em uma advertência para o João Victor.

Chegando em casa, explicou para meus pais o que aconteceu, e eles foram à escola conversar com a direção, que alegou que meu irmão, “pega no pé” dos professores:
- Não copia os textos que os professores passam. Ele faz um “resumo”
- Termina a explicação dos professores. Antes que eles concluam a aula.
- E, cobra demais.

Ela chegou a dizer que ele quer ser “mais que os professores
Oi? Será que quem merecia a advertência era realmente o aluno?
Ok! Concordo que a “ironia” usada foi desnecessária. Mas a punição foi realmente pela frase, ou pela “ousadia” de pedir MAIS aos professores/escola?

Ele resume a matéria? Será que isso não é um indício de que os textos estão longos e desnecessários?

Ele conclui a explicação dos professores? Será que não é porque eles estão falando demais, e explicando de menos?

Para mim, a única mensagem que a escola, diretora e professora passaram para o aluno foi:
Eu sou grande e você é pequeno! Eu sou professora e você é aluno! Eu sou adulta e você adolescente! Eu estou certa e você errado!

É isso que a escola está ensinando: Se conforme! Questionamentos não são bem-vindos!

E outra, meu irmão poderia ficar realmente calado! O que vai mudar para ele? Segundo nosso sistema de avaliação, basta que ele esteja presente para “passar de ano”. Ninguém está avaliando “quanto” ele aprendeu, mas “quantas vezes ele apareceu nas aulas”, ou seja, se a professora explicar a matéria ou não, ele vai passar de ano, simplesmente porque “compareceu as aulas”

Para mim essa advertência, deveria ir para a professora, que se acomodou em dar uma aula que não era dela. E decidiu apenas por “passar textos” como se bastasse isso para aprender.
Será mesmo que não havia mais nada a se fazer? A ÚNICA opção seria passar LONGOS textos para os alunos copiarem?

Uma advertência também para a diretora, que assinou em baixo um comportamento abusivo por parte da professora. Um aluno QUESTIONOU, se CANSOU, pediu MAIS, e isso “feriu” a professora. Ele queria aprender.

Depois o ministério da educação vai gastar milhões de Reais em pesquisas, procurando respostas para o problema de tantas crianças/adolescentes não concluírem seus estudos.

Depois vamos reclamar de uma população que não questiona seus líderes, que aceita a corrupção, que não busca seus direitos.

Nesta cena eu aprendi apenas uma coisa: a escola esta criando cidadãos passivos!
Será que esse comportamento do João Victor já não está indicando que a escola esta deixando a desejar? Isso já não é uma resposta? Ou precisamos gastar milhões em pesquisa para descobrir isso?

Graças a Deus, meus pais acompanham os estudos do meu irmão como acompanharam o meu. A diretora ficou de tomar providências, conseguir uma professora de história para a turma.

Parabéns Senhora diretora! Antes tarde do que nunca!
Mas sinceramente, acho bom começar a repensar nos exemplos que vocês estão passando às crianças. E não adianta colocar a culpa no sistema de ensino: Esse comportamento intolerante aos questionamentos, é pessoal!